quinta-feira, 22 de maio de 2014

Homenagem Americo Jacomino (Canhoto).

Surge então nesta época um dos primeiros expoentes violonistas paulistas: Américo Jacomino, o Canhoto. Realizou um de seus primeiros recitais na cidade de Ribeirão Preto em 1907.
Canhoto era considerado um bom violonista já em 1913 e seguia, pelos bairros de São Paulo, ganhando fama e prestígio em serenatas e desafios.
Atuou também como professor. Foi mestre da filha de Carlos de Campos, governador do Estado na época e também da esposa e da filha de Júlio Prestes.
Além de professor e instrumentista, Canhoto também era compositor. Compunha, além do violão, para piano e orquestra.
Em setembro de 1916, Canhoto realiza o seu primeiro grande recital para um grande público no salão nobre do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo.
 A importância desse recital é grande. Paulo Castagna considera, pela sua importância e repercussão, um evento comparado aos concertos dos violonistas Augustin Barrios e Josefina Robledo. Principalmente por ser realizado em um dos principais palcos da música erudita paulistana.
É através deste concerto que Américo Jacomino conquista a elite paulistana e assim, possibilitando o início da dissolução do preconceito que freava o desenvolvimento da música para violão.
Em junho de 1916, Manuel Leiroz escreve sobre o Canhoto:
“É preciso porém vê-lo, para se poder fazer uma idéia nítida do artista. Vê-lo com disposição de espirito, como nós o vimos. Não há a maçada da afinação, os mil altos e baixos, até acertar.”
Em 1918 acontece o seu primeiro grande sucesso: “Nhá Maruca foi s’embora”.
Com o sucesso crescente ele apresenta, em 4 de dezembro de 1919, um recital no teatro lírico do Rio de Janeiro.
Em 1922 outro grande sucesso: “Triste Carnaval” em parceria com Arlindo Real.
Mas seu maior sucesso (talvez o maior de todos os tempos) veio em 1925, a valsa “Abismo de Rosas”.
Segundo Jairo Severiano, Canhoto a compôs em 1905 quando tinha apenas 16 anos. Era fruto de uma decepção amorosa pois ele teria sido abandonado pela namorada.
Realizou uma gravação anterior, em 1916, com o nome de “Acordes do Violão”.
Realizou ainda em 1927 dois programas chamados “Noites Brasileiras”, um no teatro Boa Vista e outra no Municipal de São Paulo nos quais se apresentou também o conjunto denominado “Os Turunas Paulistas” - que seguia a mesma linha dos “Turunas da Mauricéia”, um grande sucesso de então. Este conjunto, que ele organizara, era formado por 4 violões, flauta, saxofone, 2 cavaquinhos, reco-reco, maracaxá e pandeiro.
Durante uma serenata no alto da Moóca em 1907, Canhoto conheceu o violonista e cantor Paraguassú.
Link ou  Link

Nenhum comentário:

Postar um comentário