terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Tom Zé - Discografia

Antônio José Santana Martins
* 11/10/1936 Irará, BA
Compositor. Cantor. Arranjador. Ator.

Estudou na Universidade Federal da Bahia, onde teve aulas com H. J. Koellreuther, Walter Smetak, Ernst Widmer, Jamary Oliveira, entre outros. Tornou-se membro fundador do Grupo de Compositores da Bahia (música erudita), ao lado de Milton Gomes, Lindebergue Cardoso, Rinaldo Rossi, Nicolau Kokron e Ernst Widmer. Com este grupo, participou do concerto realizado pela Orquestra Sinfônica da UFBA. Foi professor de Contraponto e Harmonia na Escola de Música da universidade Federal da Bahia. Integrou, como violoncelista, a Orquestra Sinfônica da UFBA e a Orquestra de Estudantes da mesma universidade. Participou como compositor de concertos realizados em 50 escolas de Salvador, na Bahia.
No início da década de 1960, conheceu Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso e Maria Bethânia.
Na década de 1970, fundou em São Paulo a Escola Popular Sofisti-Balacobaco - Muito Som e Pouco Papo. Participou ainda, como ator e cantor, da peça musical "Rock horror show", dirigida por Rubens Corrêa, no Teatro da Praia, Rio de Janeiro.
Na década de 1980, trabalhou com música experimental. Nessa época, realizou um concerto no Teatro Municipal de São Paulo, exibido pela TV Cultura.
Em 1990, lançou pelo selo Luaka Bop o disco "The Best of Tom Zé", que foi aclamado pela crítica, ficando entre os 10 melhores da década em todo o mundo na avaliação da revista Rolling Stone. A partir disso, excursionou pela Europa e Estados Unidos durante toda a década de 1990.
Em 2013, após polêmica na internet criada por um grupo de fãs que o criticou por ter atuado como narrador em um comercial da Coca-Cola, lançou o EP “Tribunal do Feicebuqui”, contendo suas canções “Zé a zero” (c/ Segreto e Tim Bernardes), “Taí” (c/ Segreto) e “Irará iralá”, além de “Papa Francisco” (Tim Bernardes) e “Tom Zé Mané” (Segreto, Tatá Aeroplano, Gustavo Galo e Emicida). Nesse mesmo ano, foi indicado ao Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Álbum Pop/Rock/Reggae/HipHop/Funk, pelo CD “Tropicália Lixo Lógico”, produzido por Daniel Maia. Em 2014, lançou o disco “Vira lata na Via Láctea”. Composto apenas por múscas inéditas, o trabalho seguiu a mesma proposta do EP lançado em 2013: ativar e estabelecer a conexão com a chamada Geração Y, trazendo à tona temas como internet, mensagens inbox e até o Papa Francisco. Ao longo das 14 faixas, o músico divide os vocais com nomes consagrados como Milton Nascimento (em “Pour Elis”) e Caetano Veloso (em “A pequena suburbana”) e, também, talentos da nova geração como Criolo (em “Banca de jornal”), Trupe chá de boldo (em “Irará irá lá”), O terno (em “Papa perdoa Tom Zé”) e Filarmônica de Pasárgada (em “Guga na lavagem), entre outros.

Composer. Singer. Arrangement. Actor.
He studied at the Federal University of Bahia, where he took classes with H. J. Koellreuther, Walter Smetak, Ernst Widmer, Jamary Oliveira, among others. He became a founding member of the Composers Group of Bahia (erudite music), alongside Milton Gomes, Lindebergue Cardoso, Rinaldo Rossi, Nicolau Kokron and Ernst Widmer. With this group, he participated in the concert performed by the UFBA Symphony Orchestra. He was professor of Counterpoint and Harmony at the School of Music of the Federal University of Bahia. He joined, as a cellist, the UFBA Symphony Orchestra and the University Orchestra of the same university. He participated as a composer of concerts held in 50 schools in Salvador, Bahia.
In the early 1960s, he met Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso and Maria Bethânia.
In the 1970s, he founded the Popular School Sofisti-Balacobaco in São Paulo - Much Sound and Little Talk. He also participated, as an actor and singer, in the musical "Rock horror show", directed by Rubens Corrêa, at the Teatro da Praia, Rio de Janeiro.
In the 1980s, he worked with experimental music. At that time, he performed a concert at the Municipal Theater of São Paulo, screened by TV Cultura.
In 1990, he released the critically acclaimed album "The Best of Tom Zé" on the Luaka Bop label, making it among the top 10 of the decade in the world for Rolling Stone magazine. From there, he toured Europe and the United States throughout the 1990s.
In 2013, after a controversy on the internet created by a group of fans who criticized him for having acted as narrator in a Coca-Cola commercial, he released the EP "Feicebuqui Court", containing his songs "Zé a cero" (c / Segreto And Tim Bernardes), "Taí" (with Segreto) and "Irará iralá", in addition to "Papa Francisco" (Tim Bernardes) and "Tom Zé Mané" (Segreto, Tata Airplane, Gustavo Galo and Emicida). That same year, he was nominated for the Brazilian Music Award, in the category of Pop / Rock / Reggae / HipHop / Funk, for the CD "Tropicália Lixo Logica", produced by Daniel Maia. In 2014, he released the album "Vira lata in the Milky Way". Composed only by unreleased songs, the work followed the same proposal of the EP released in 2013: activate and establish the connection with the so-called Generation Y, bringing up themes such as internet, inbox messages and even Pope Francisco. Along the 14 tracks, the musician divides the vocals with famous names such as Milton Nascimento (in "Pour Elis") and Caetano Veloso (in "The small suburban") and also talents of the new generation like Criolo (in "Banca de Newspaper ")," Troupe de boldo "(in" Irará vai lá "), O suit (in" Papa forgives Tom Zé ") and Filarmônica de Pasárgada (in" Guga na lavrão "), among others.

LEIA MAIS EM / READ MORE AT:
http://dicionariompb.com.br/tom-ze

LINK

Nenhum comentário:

Postar um comentário